Avaí, de primeira

| 0 comentários
"Avaí é punido pelo TJD, perde seis pontos e vira lanterna do estadual - O Avaí foi punido nesta terça-feira com a perda de seis pontos e mais uma multa de R$ 8 mil no Tribunal de Justiça Desportiva de Santa Catarina. A medida se deve diante da escalação irregular do zagueiro Antonio Carlos, no jogo contra o Marcílio Dias, pela sexta rodada da competição, no dia 22 de fevereiro.
A escalação irregular foi denunciada pela procuradoria do TJD, que alegou infrações no artigo 214 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva. O advogado do clube, Sandro Barreto, alegou erro interno do clube e solicitou a desqualificação do artigo - do 214 para o 192 -, que não foi acatado pelo Tribunal.
Com a perda dos seis pontos, o Avaí cai para a lanterna da competição, com um somado. Sem chances de classificação, apenas cumpriria tabela na quarta-feira, contra o Inter de Lages, pela última rodada da primeira fase. Depois, lutaria contra o rebaixamento no quadrangular, que tem o Atlético garantido entre os quatro( Marcílio também perdeu seis pontos, mas deve recorrer ao Pleno).
Clube não deve recorrer da decisão
O presidente Nilton Macedo Machado admitiu a falha na última semana, na segunda-feira seguinte ao erro na escalação. O mandatário, inclusive, disse que não vai recorrer da decisão do Tribunal por não encontrar bases jurídicas para um erro humano. Antonio Carlos, que jogou pelo Avaí em 2014 e depois de uma negociação envolvendo o Corinthians, seu ex-clube, o empresário Eduardo Uram e o time azurra, ficou sem vínculo válido para atuar no Catarinense." Matéria do portal Globo Esporte

Morro e não vejo tudo

| 1 comentários
Ideia original do chapecoense Marcos Campanholo. Arte final Avaixonados

Pelo fair play financeiro

| 1 comentários
Matéria da revista Veja: "CBF vai punir times que atrasarem os salários - A CBF anunciou, nesta segunda-feira, a adoção do Fair Play financeiro, regra que pune com perda de pontos os times que atrasarem os salários de seus jogadores, aprovada por unanimidade no Conselho Técnico dos Clubes da Série A. O modelo da lei a ser seguido já vigora no campeonato paulista.
Além da perda de pontos, há outras punições previstas para entrar no regulamento: o clube que ficar um mês sem pagar salário perde o direito de contratação. Com dois meses de atraso, o jogador pode tomar a decisão de não entrar em campo. E, conforme já vigora para os times do Estado de São Paulo, no terceiro mês sem pagamento, o atleta tem direito de rescisão unilateral.
Para que a punição seja efetivada, é preciso que o próprio jogador faça a denúncia."

Nenhum cacique para 35 índios

| 2 comentários
O Avaí já se prepara para enfrentar o quadrangular da morte, onde o objetivo número um é escapar do rebaixamento e o número dois, se preparar para a Copa do Brasil e série A do Brasileirão. Trocando em miúdos, se tudo der certo, as partidas contra Atlético de Ibirama, Marcílio Dias, Inter de Lages (ou Guarani) servirão de apronto para confrontos "um pouquinho mais difíceis".
Santos, Internacional, Flamengo, Coritiba e Atlético/MG serão os primeiro desafios no campeonato que a gente sempre quis estar. E com esse elenco que Geninho tem em mãos, somado a sua dificuldade de arrumá-los em campo, a tensão pré-vexame já se faz presente no café da manhã da avaianada.
Em meio a todas as turbulências pelas quais o clube passa, na noite de ontem aconteceu a reunião extraordinária do Conselho Deliberativo, onde um quórum reduzido de 35 conselheiros (pouco mais de 10% de um total de 300) foi pedir explicações pela patacoada administrativa que pré-desclassificou a equipe da disputa do hexagonal decisivo do Campeonato Catarinense. Um salve para esses 35.
Com o presidente e vice-presidente no Conselho de Clubes da CBF e sem a presença de qualquer alma do Departamento de Futebol, restou ao CD formar uma comissão para acompanhar o processo administrativo instaurado para apurar o caso Antonio Carlos. Além disso, um documento de questionamento será encaminhado à Diretoria Executiva, e que deverá ser respondido até 19/03.
No dia 24/03 haverá uma nova reunião do Conselho para apreciar o resultado do processo administrativo e as respostas da Executiva, além do pedido do resultado do diagnóstico financeiro feito por uma auditoria externa em 2014 e o relatório dos percentuais de jogadores do atual elenco. Nesse dia, como reza a tradição, o CD deverá concordar com tudo. Por unanimidade. Foto Vandrei Bion

Avaí, de primeira

| 0 comentários
Matéria do Infoesporte: "Avaí tem interesse no retorno de Bruno - Enquanto o time se prepara para a disputa do quadrangular do Campeonato Catarinense, a diretoria do Avaí trabalha na busca por reforços visando a Série A do Brasileiro. Entre os nomes mais cotados na Ressacada está Bruno Silva, volante que defendeu a equipe azurra entre 2007 e 2012 e atualmente está na Ponte Preta.
O jogador está nos planos do técnico Guto Ferreira para a temporada, mas a diretoria da Ponte não descarta emprestar o atleta. Em janeiro, o volante de 28 anos ficou próximo de um acerto com o Vasco, mas a Macaca considerou a proposta baixa e recusou a transferência.
Bruno Silva tem contrato com a Ponte até setembro de 2016. Em 2014, o volante defendeu a Chapecoense, que tinha interesse em renovar contrato para a atual temporada, mas também não chegou a um acordo com a diretoria do clube paulista.
A passagem de Bruno Silva pelo Avaí foi entre 2007 e 2012, sendo que em 2009 o jogador foi emprestado ao Bahia. No clube azurra, disputou mais de 100 jogos e foi campeão catarinense em 2009 e 2012. Em 2013 foi transferido para a Ponte Preta, onde se destacou no Paulistão, mas acabou sendo emprestado ao Atlético-PR após problemas extracampo. Após 25 jogos no Furacão, retornou a Campinas até ser emprestado para a Chape."

A imprensa que pisa na bola

| 0 comentários
Não sabe o que é clássico e agora confunde quem é ídolo. Arte sobre foto de @agenteinforma.

Empate em desrespeito e desorganização

| 5 comentários
Mais uma vez tivemos ocorrências lamentáveis como pano de fundo do clássico. Pelos seguidos erros de organização ocorridos na Ressacada e no Scarpelli, a impressão que se tem é que há uma troca de "gentilezas", um revide pelo último tratamento dado aos torcedores de maneira automática. Não é possível que dois clubes profissionais com mais de 90 anos de experiência em eventos esportivos ainda não tenham aprendido a disponibilizar conforto e segurança e aos seus clientes.
Ontem houve o "tradicional" show de incompetência do futebol brasileiro, com os visitantes sendo tratados como gado, encurralados após o corre-corre por não conseguirem entrar no estádio. Com ingressos na mão e catracas insuficientes para dar conta da demanda, houve muita confusão e novamente vidas foram colocadas em risco. Uma "reciprocidade" burra e irresponsável.
Tal qual a direção do Figueirense, a do Avaí ainda não aprendeu a calcular o espaço necessário para a torcida adversária. Foi um tremendo sufoco para os 1.900 alvinegros assistirem a partida naquele pedaço de arquibancada a eles disponibilizado. Tentativas de invasão, brigas, empurra-empurra, depredações do patrimônio, enfim, uma bagunça que mais uma vez informa aos torcedores da Capital que o clássico é um péssimo programa para o cidadão e sua família. Foto Cristiano Estrela

Avaí superior, mas ainda insuficiente

| 0 comentários
Jogo com muita emoção, muita transpiração e pouca inspiração. O clássico da Capital costuma ser assim, mas quando duas equipes limitadas não chegam com lastro para muito mais, correria é o que sobra para o espetáculo. O Avaí, a gente já sabia que teria que se superar, e foi assim aos longo dos 90min dominando as ações e criando mais oportunidades que o adversário. Já o time do Estreito, pelo futebol apresentado, será outro a sofrer para se segurar na série A do Brasileirão.
Destaque negativo para Anderson Lopes, o cabaço avaiano, que se meteu numa confusão que não era sua, deu um totozinho por trás no lateral meia boca deles, o que os levou mais cedo para o chuveiro. Marquinhos fez a diferença, organizou o meio de campo, comandou a equipe no gramado, fez o dele e não entrou na vibe de guerra lamentavelmente incitada pelas matérias da RBS.
O ídolo deles, aquele que não nasceu em Paris e que ninguém conhece, teve seus minutos de fama nas manchetes graças ao galego, e acredita de coração que tenha "enterrado" o Avaí. Faltou dizer ao rapaz pouco socializável que se o Avaí é vice-lanterna, se venceu uma única partida em oito rodadas e se vai perder seis pontos no TJD, tudo isso é por sua própria incompetência e sem a pá de cal de nenhum pereba de fora da Ressacada. Desgraça a gente cria em casa, ô tanso! Foto Charles Guerra

Avaí, de primeira

| 0 comentários
Coletiva pós-jogo de Geninho: "Quem procurou olhar o que se desenvolveu na partida viu o Avaí amplamente superior. Dizem que no futebol não existe justiça, mas o merecedor seria o Avaí. Temos um scout e vimos que o Avaí concluiu 17 vezes e o Figueirense, duas. Foi muito bom, vimos um time evoluindo dentro do que conversávamos lá atrás. Saíram muitos jogadores e ninguém é mágico para fazer o time jogar de uma hora para outra.
Hoje aqueles que cobravam, um padrão, veem o time com jeito de jogar. Muito mérito ao grupo, aos jogadores, o time respondeu muito bem a todas as cobranças, um time que poderia ter uma pequena chance se não tivéssemos perdido os pontos e os erros de início, entraríamos bem no hexagonal. Mas a equipe mostrou que está viva e nessa sequência que vamos ter de Copa do Brasil, Série A.
Expulsões
Quem perdeu mais foi o Avaí. O Anderson é um atacante forte, vem fazendo gols. É mais fácil você substituir um defensor do que um atacante. A primeira ideia era tirar um volante e colocar um atacante, eu empurrei o Marquinhos para a frente, ele ficou com liberdade para encostar. Dei liberdade para o Claudinei e o Tinga e quando dominamos, manda o bom senso que você não mexa. 
Méritos para buscar o empate
Os jogadores estão se conhecendo melhor, sabendo o que o companheiro faz, isso tudo ajuda. Claro que a volta do Marcos ajuda. Só que foi o primeiro jogo do Marcos, foi ainda abaixo, um longo período sem jogar. Ele traz consigo um fator emocional muito forte e uma série de detalhes importantes, o grupo querendo dar uma resposta. E o time está conseguindo se achar, jogadores criticados começando a render. Ainda estamos longe do Avaí ideal, mas é melhor do que aquele que começou.
Avaliação do meio de campo
O Uelliton está muito bem. Hoje foi fundamental a presença dele, deu muito segurança. O Tinga e o Claudinei têm crescido a olhos vistos, o meio de campo é o coração do time, quando ele vai bem, todo o resto vai bem."

Ele, sempre ele

| 0 comentários
Marquinhos "tabelou" com a barreira e deixou o dele. Sempre ele. Foto Charles Guerra Agencia RBS

Avaí superior, empate ruim

| 1 comentários
O Avaí vinha de uma campanha catastrófica no Delfinzão e temia ver sua crise agravada diante de mais uma derrota, dessa vez diante do maior rival. O Figueirense chegava classificado para o hexagonal e temia tomar uma invertida justamente diante do maior rival. As equipes criaram oportunidades e conseguiram cada um o seu golzinho de honra. O Avaí foi melhor, o alvinegro foi salvo pelo seu goleiro, a falta de pontaria de André Lima e principalmente Renan Oliveira. Ao Leão da Ilha resta cumprir a última rodada, olhar com seriedade para o quadrangular da morte e repensar todo o trabalho já com vistas a Copa do Brasil e Série A. Foto Charles Guerra / Agencia RBS

O retorno de Marquinhos

| 0 comentários
"O Marcos está louco para jogar, acho que ele é um dos melhores condicionados do grupo e todo mundo sabe o peso dele para o time. Vai voltar no clássico e eu espero que possa nos ajudar por aquilo que ele representa e pelo que é, ele vai nos ajudar. (...) Marquinhos é acima de tudo um jogador de qualidade. E traz um respeito ao adversário, tem uma ascendência sobre o grupo, a bola parada excepcional. Ele vai acrescentar e muito no meio. A vinda de jogadores de qualidade trazem um ganho à equipe e a entrada do Marquinhos pode trazer tudo isso." Palavras de Geninho Foto Diego Madruga

Não vale nada, mas vale tudo

| 0 comentários
Avaí pré-eliminado, Figueirense pré-classificado, jogo sem importância para efeitos de tabela, mas quem diz que alguém respira nessa cidade? Isso é rivalidade de mais de 90 anos, é desejo insano pela vitória, é redenção ou fundo do poço, é céu ou inferno, isso é clássico.
Mas se alguém tem um pouco mais de interesse no resultado desta partida, esse é o Avaí, que conseguiu "encaixar" uma das campanhas mais patéticas da história em campeonatos estaduais de SC. Por esforço próprio, sem auxílio extra, somou seis pontos em sete rodadas, tem a mesma pontuação do lanterna e tudo se encaminha para que o TJD saque esse saldinho por conta da patacoada com a documentação do zagueiro Antônio Carlos. Um vexame sem precedentes!
O clássico de hoje é a oportunidade de ouro para que jogadores que até agora mostraram apenas incapacidades, deem uma satisfação para a torcida avaiana, já por demais humilhada em sua paixão esportiva. Se mesmo com vitória a comissão técnica, o elenco e o departamento de futebol já estão na berlinda, imagina com mais uma derrota - e logo num clássico - dentro de casa.
Imagino um público entre sete e nove mil pessoas. Um pouco mais, um pouco menos, mas nada que mexa substancialmente na média de público do Delfinzão 2015. Marquinhos está de volta, seus companheiros prometem dar a vida, o adversário vem a fim de jogar a ultima pá de cal no Leão da Ilha, a arbitragem será de Sandro Meira Ricci e podemos ter penetras em alguns espaços azurras.
Como comentado ontem no Twitter, aí vai uma dica aos avaianos: se você observar um grupo "diferente" em algum setor da Ressacada, façam diferente do que fizeram com a gente na final de 2012 no estádio mais torto do mundo: trate-os com respeito. Não precisa ficar amigo, não precisa abraçar, não precisa dividir a água mineral, não precisa desejar boa sorte. Basta deixá-los em PAZ.

Avaí, de primeira

| 0 comentários
Matéria base Gazeta Esportiva: "Hoje, às 16 horas, o Avaí receberá o rival Figueirense na Ressacada. O clássico não contará com muitos jogadores, já que ambas as equipes apresentam uma longa lista de desfalques para o duelo. Como o Leão está lutando para fugir do rebaixamento e o Alvinegro pela liderança, a partida tem um grau de importância grande para os dois times.
O Avaí não está bem dentro e fora de campo. O time só conseguiu somar seis pontos em sete partidas, mas pode perder todos esses pela escalação irregular do zagueiro Antônio Carlos. Deste modo, o Leão precisa de uma vitória do clássico para levantar o moral do elenco e da torcida, que já vem fazendo críticas ao time neste início de temporada.
O técnico Geninho não poderá contar com Roberto, vetado pelo departamento médico, Philipe Maia, que está suspenso, e Marrone, com lesão nos ligamentos do joelho. Contudo, o comandante comemorou a volta do meia Marquinhos, que estava cumprindo uma suspensão do Campeonato Catarinense do ano passado, e de Willian Rocha, que havia sido liberado por causa da morte do irmão, mas treinou na última sexta-feira e deverá estar em campo no domingo.
“A base daquele time joga. Não vai haver mudanças terríveis. Mas pode acontecer que existam duas ou três mudanças. Vamos ver como a gente monta um time que tenha a possibilidade de nos trazer um resultado em um jogo tão importante quanto o clássico”, revelou Geninho.
Assim, tentando manter a mesma base do time que atuou contra o Guarani de Palhoça na última quinta-feira, o técnico deve escalar um time com Vagner; Pablo, Ronaldo Alves, Antônio Carlos e Willian Rocha; Uellinton, Claudinei, Tinga e Marquinhos; Anderson Lopes e André Lima."

Final de 2012, terceiro gol do Avaí

| 0 comentários

Esse Avaí tem que fazer coisa boa

| 0 comentários
Um slogan é mais do que uma expressão de fácil memorização para realçar um produto ou empresa. Ele diz quem "você" é na essência. Nesse sentido "Esse Avaí faz coisa" tem intitulado as últimas epopeias - mais negativas que positivas - do Maior de SC. Pois bem, restou ao Avaí a decisão do campeonato mais importante: o clássico, uma das três maiores rivalidades do sul do Brasil.
Ele acontece amanhã, no templo sagrado da Ressacada, também ultimamente pouco respeitado pelos adversários. O Leão entra na partida vivendo um péssimo momento, pressionado por todos os lados, dentro e fora do gramado. Muita coisa estará em jogo. Repercussões dentro e fora de campo.
Se os jogadores conseguirem abstrair esse "armagedon" e curtirem apenas a possibilidade de "apagar" os desastres de até agora, algo de muito bom pode estar a caminho. Nessa foto do post, acho que aí está o resumo do que deve ser o clima desse clássico. Foto Cistiano Estrela / Agencia RBS

O clássico já começou

| 0 comentários
Amanhã é dia de clássico, então fica decretado que para os torcedores da Capital a Terra para de girar, o resto mundo deixa de existir e tudo o que importa é esperar e vivenciar uma das três maiores rivalidades do sul do Brasil. A disputa já começou ontem entre as diretorias, com o rival solicitando uma carga extra de ingressos, o que foi olimpicamente negado pelo comando maior da Ressacada.
Sei que o clube perde dinheiro com essa atitude, mas só quem esteve na final do estadual de 2012 sabe o que os caras fizeram com a torcida avaiana. Esmagaram 2 mil no setor cujas cadeiras soltam tinta, não liberaram o setor ao lado, totalmente vazio, e os "penetras" azurras tiveram que ser retirados do estádio no 2° tempo por conta de ameaças de meia dúzia que já partiam para as agressões.

Avaí, de primeira

| 0 comentários
Matéria editada via Infoesporte - "Ele está louco para jogar" - (...) Após cumprir dez jogos de suspensão no Estadual por conta da briga justamente no último jogo entre as equipes, o capitão avaiano retorna ao time no próximo domingo. Durante as primeiras rodadas do Catarinense, o departamento jurídico do Leão tentou de tudo para liberar o meia, mas não conseguiu. O primeiro jogo do M10 na temporada será diante do Figueirense, e o Galego está "louco para jogar".
- Acho que ele é um dos melhores condicionados do grupo. Ele está louco para jogar e todo mundo sabe o peso dele para o time. Vai voltar no clássico e eu espero que possa nos ajudar por aquilo que ele representa e pelo que é, ele vai nos ajudar - afirma o técnico Geninho.
A tendência é de que Marquinhos entre no lugar de Renan Oliveira, que vem sendo o camisa 10 no Estadual. No entanto, não está descartada a possibilidade de Renan continuar no time ao lado do ídolo azurra. Geninho também não sabe se poderá contar com William Rocha, poupado do jogo contra o Guarani após a morte de um familiar.
- Ainda não sei o que farei. Vamos ver como o pessoal está, você jogou a maioria do tempo com 10 jogadores (Philipe Maia foi expulso diante do Bugre), o desgaste é grande, vamos esperar. Não sei se posso contar com o Willian Rocha, do problema particular dele, vamos analisar com calma."

Uma imagem

| 0 comentários
Nessa foto dasantiga, o lateral avaiano Nelsinho agarra a camisa do alvinegro Sérgio Luis. O clássico não era na Ressacada, mas duas coisas desta foto da década de 90 se repetirão neste domingo: o jogo pegado de ambos os lados e o Avaí sem patrocínio master. Foto Polidoro Jr

O desabafo de Chico Lins

| 1 comentários
"Havia comentado com alguns amigos que eu sairia do Twitter esse ano, mas diante dos últimos acontecimentos, sou obrigado a me manifestar. Nunca fui de fugir das minhas responsabilidades, mas também nunca fui covarde de acusar pessoas para tentar me livrar de uma situação.
O momento do Avaí é delicado porque não estamos conseguindo bons resultados dentro de campo e também pelo erro feito no registro do Antônio. Sobre o erro, realmente foi inadmissível, mas lembro que foi um erro humano, que qualquer um de nós pode cometer. Ninguém matou ou roubou.
Estive de licença médica do dia 4 de janeiro ao dia 6 de fevereiro, e embora não tivesse no clube, não vou me isentar de responsabilidade. Licença médica, não. Usei as férias que o clube me devia para o Avaí não me pagar sem trabalhar. Passei minhas férias dentro de um hospital.
Estou e estarei ao lado de todos os possíveis envolvidos no caso porque sei a retidão e o caráter de todos eles. Foi uma falha humana. Gostaria que eu tivesse a culpa sozinho, pois levantaria a mão e pediria desculpas, por mais que desculpas nessas horas não adiantem muito.
Faço uma pequena comparação do dia 12/dez/2013, dia que entrei no Avaí, e os dias de hoje. Dezembro de 2013. Avaí na Série B, sem muitas perspectivas, salários atrasados, com sérios problemas econômicos, e com a auto estima afetada. Montamos um time limitado por causa da questão econômica, e tivemos muitas dificuldades no campeonato estadual. Fomos muito mal mesmo.
Jogadores não queriam vir porque sabiam dos salários atrasados. Tentamos muitas apostas, que não vingaram, e alguns jogadores mais rodados. O ano foi arrastado e sempre convivendo com o fantasma da falta de dinheiro e com a decepção de não ter conseguido o acesso em 2103.
Conseguimos superar as dificuldades com o trabalho da Diretoria, do Conselho, da Comissão Técnica e dos jogadores, que nunca baixaram os braços. Tivemos o recurso do terreno e o Presidente, que poderia jogar para a torcida e contratar atletas, foi responsável. Pagou todos os atrasados. Conseguimos o que a maioria das pessoas não acreditava. O acesso chegou depois de uma última rodada para morrer de infarte, mas conseguimos!
Hoje o Avaí está na Série A, com salários em dia, com as dívidas trabalhistas equacionadas e sendo pagas. E nenhuma ação desde 2013. A administração é transparente, com pessoas sérias, que erram mas sempre tentando acertar. Acho que o saldo dessa gestão é positivo.
Tenho uma vida inteira no esporte. 16 anos como profissional de Futsal, 10 anos como dirigente de vôlei e estou no meu quinto ano no futebol. Ganhei muitas coisas, e perdi também. Acertei muito, e cometi erros que até hoje eu não me perdoo. Mas consegui ser respeitado.
Usei o Twitter para coisas pessoais, mas também para tentar criar uma canal de comunicação mais próximo com os torcedores. Com 90% dos torcedores, tanto de Avaí como do Figueirense, mantive um alto grau de respeito. Não me arrependo de nada que escrevi aqui. Não usei para atacar pessoas e nem para criar polêmicas ridículas para ser notado. Usei para debater, sempre respeitando opiniões.
É uma pena ter que sair. E não saio por causa desse momento ruim. Saio porque absorvo demais as coisas e isso não faz bem para a minha saúde. Algumas pessoas pedem a minha saída do Avai. Digo que elas não estão sozinhas. Meus pais, meus filhos e minha namorada também pedem.
Fiquei em 2015, apesar dos meus problemas, porque achava que merecia, depois de ter lutado tanto para conseguir o acesso. Mas no futebol o que é passado, passado está. Tenho muito orgulho de estar há cinco anos no futebol e ter participado de dois acessos. E o mais difícil! Ser respeitado pela grande maioria dos torcedores dos dois times da capital.
Tenho muito orgulho de mim e da minha carreira. Para aquele personagem que tem obsessão por mim, que Deus lhe dê saúde, já que não lhe deu talento, carisma, inteligência, estrela e sorte.
Não sei se continuarei muito tempo no Avaí, mas a minha sala na Ressacada está aberta o tempo todo. Quem quiser conversar, será bem recebido. É uma pena interromper isso. Amigos da Espanha, do vôlei, do salão, do futebol, da imprensa, amigos que fiz na vida e que reencontrei aqui. Quem sabe um dia, depois de sair dessa loucura do futebol, eu possa voltar e discutir política e futebol, falar de música, falar besteira... Um abraço a todos.
Sou de Florianópolis, e certamente nos encontraremos pelas ruas e pessoalmente, que convenhamos, é bem melhor!" Chico Lins, Coordenador de Futebol do Avaí, via Twitter. Foto Cristiano Estrela / RBS